Artigos

Publicado em 26 de setembro de 2022 Atualizado em 29 de setembro de 2022

A escola em fuga [Tese].

A investigação de um aprendiz de vendedor ambulante

Silhueta de uma mulher abrindo o seu casaco para revender produtos recuperados dos contentores dos grandes armazéns do Boulevard Barbes, em Paris

" A honestidade não o obriga a comer

São desperdiçadas 1,3 mil milhões de toneladas de alimentos por ano, ou seja, 1/3 dos alimentos produzidos no mundo. Só a Europa desperdiça a quantidade equivalente de alimentos necessários para erradicar a fome no mundo. Ao mesmo tempo, um processo de empobrecimento das sociedades tem vindo a ter lugar há alguns anos, levando milhares de milhões de pessoas à pobreza.

Tentando fazer face às despesas vendendo mercadorias de origem duvidosa com o máximo lucro, já não é raro ver vendedores de rua aqui e ali. Os espectadores vagueiam por estes mercados, reconhecidos por todos como ilegais, sem serem surpreendidos pelos cigarros e lembranças, alimentos e bens de consumo. O comércio ambulante significa vender mercadorias na via pública sem autorização especial e sem instalações fixas, para que possam escapar rapidamente no caso de um controlo.

Aqui, os comerciantes de alimentos oferecem preços imbatíveis em lotes recolhidos anteriormente de resíduos e mercadorias não vendidas de grandes armazéns. O venda ambulante requer competências específicas em função dos bens a revender para ser visto pelos clientes sem ser visto pelas autoridades, mas também para lidar com a concorrência e os compradores desonestos.

Como obter bens? Qual é a base da relação comercial? Quais são as subtilezas a serem dominadas? Qual é o lugar da astúcia e do engano? Como escapar a esta economia? É isto que Gauthier Bayle se propõe descobrir às escondidas na sua tese"Comércio, astúcia e engano: etnografia do comércio de rua em Paris" .

A oportunidade faz o ladrão: porquê ler esta tese

Como aprendiz de vendedor ambulante, Gauthier Bayle optou por um modo de investigação conhecido como "a céu aberto" no qual todas as pessoas estavam cientes das suas intenções. Através de contactos regulares e transparentes, consegue misturar-se com as massas e deixar de preocupar os seus sujeitos, a fim de recolher dados sem interferir nas situações observadas. Isto permite ao autor revelar um conjunto de aspectos económicos, sociológicos ou mesmo antropológicos que permaneceram ocultos devido à ilegalidade do assunto estudado.

O trabalho é uma forma de ganhar a vida ou de complementar um rendimento com dignidade. No entanto, em França, o trabalho requer documentos e a venda no espaço público requer uma autorização que envolve vários impostos e o respeito de códigos ou normas. A venda às escondidas, sob o manto ou na natureza é proibida em França. Desde a Torre Eiffel até ao Boulevard Barbes, passando pelas saídas do metro e pelas caixas de compras locais, o autor analisa a realidade distópica dos vendedores de rua numa das cidades mais idealizadas do mundo.

Longe das simplificações sensacionais dos meios de comunicação, o autor capta todas as nuances do seu tema. Um mundo onde inúmeras personalidades se misturam contra o pano de fundo de um modelo de lealdade tecendo ligações invisíveis entre todos os actores que constituem uma comunidade invulgar onde a astúcia e o engano se transformam em savoir-vivre e legitimidade. Para além da dureza da realidade relatada, o autor oferece, à maneira dos clichés que pontuam a sua tese, novos pontos de vista que fazem emergir a esperança, a humanidade e o desejo de existir a partir dos seus dados.

Excerto: Encontros e Relações Investigativas: Jeanne

"Avenue de la Porte de Montmartre faz fronteira com a estrada circular da auto-estrada no extremo norte de Paris e acolhe um mercado alimentar municipal todas as quintas-feiras de manhã. Algures no seu pavimento à direita, perto de um abrigo de autocarros, o caminho de entrada de uma residência não permite a existência de bancas convencionais. Neste espaço de cerca de vinte metros quadrados, é possível fazer todo o tipo de negócios sob o manto. Algumas contrafacções: cintos, perfume, relógios, brinquedos... Alguns produtos básicos: pasta de dentes, champô, lâminas de barbear, chocolate, fraldas para bebés. Mas principalmente alimentos.

Através de uma combinação de circunstâncias, conheci Jeanne 3 em 26 de Fevereiro de 2015. Por baixo do seu aspecto matronal com antebraços musculados, ela foi a única a escapar a uma apreensão policial nesse dia. Com o seu carrinho e grande saco de nylon, ela fingiu esperar pelo autocarro. Disse-me que tinha sessenta e sete anos de idade, francesa de nascimento e ex-empregada de uma empresa discográfica. Sentei-me então ao seu lado e ela explicou que em doze anos, se ela tivesse aprendido alguma coisa útil, seria não espalhar demasiada mercadoria para poder recolhê-la rapidamente quando necessário.

Depois disso, regressei regularmente durante vários meses. Por vezes, ela convidava-me para um café às 14 horas, quando o mercado terminava. Se ela tivesse de fugir enquanto vendia, também me pedia para vigiar a sua mercadoria durante algum tempo. Ainda noutras ocasiões, ela insistiu que eu saísse com produtos que ela não tinha conseguido vender, não só a mim, mas também a outros vendedores. Foi assim que me apercebi que havia algum tipo de regra sobre isto. Os presentes de mercadorias não são de facto invulgares entre os revendedores. Podem também comprar e vender bens uns aos outros. É, contudo, muito menos comum que revelem o local de origem. Dito isto, tive a sorte de ter descoberto um destes pontos de recolha por minha conta. A partir daí, tinha decidido (durante algum tempo) partilhá-lo com Jeanne, trazendo-lhe na quinta-feira de manhã o que tinha encontrado no dia anterior.

Entre 2015 e 2017 e a um ritmo variável, participei na recuperação de bens descartados (mas ainda consumíveis), depois na sua revenda à margem dos mercados de vizinhança no norte de Paris. Frequentei os pontos de revenda de alimentos por observação directa durante os primeiros meses, depois por observação dos participantes. Eu fui, como cada um deles, o primeiro beneficiário dos alimentos que encontrei, o que me permitiu (num período de escassez) reduzir para metade o meu orçamento alimentar, ao ritmo de duas recuperações por semana no pico da minha actividade. Por outro lado, a minha participação foi normalmente limitada a uma ou duas horas de venda e ganhos entre três e oito euros. Investigar desta forma significou que consegui obter fornecimentos de forma independente e regular. Consegui fazer isto tantas vezes porque a loja ao fundo da rua tinha um punhado de pessoas duas vezes por semana à espera de ir buscar as suas mercadorias não vendidas. Conheci este grupo de recuperadores, bem como alguns dos concessionários ali presentes, e as notas de campo que compilei com eles são quase tão numerosas.

Escola Superior de Negócios em fuga?

A verificação cruzada dos dados recolhidos por Gauthier Bayle permite revelar uma rede social em que cada indivíduo procura evitar uma escalada de deslealdade. Descobrimos que todos os actores neste microcosmo, incluindo a polícia, suavizam os seus egos para permitir um compromisso, se não mesmo uma responsabilidade mútua. Procurando uma forma de paz social, permitindo a coexistência de todos, troca de favores, aconselhamento, mutualização e estabelecimento de regras informais. No entanto, esta desescalada das tensões é enfraquecida por todos os fracassos ou sentimentos de traição que a estilhaçam.

Se não se formarem numa escola de comércio, os vendedores ambulantes aprendem o seu sustento na escola de rua através de uma aprendizagem social copiando os êxitos dos mais audazes. Os truques do ofício são assimilados através da soma das experiências pessoais e da companhia directa ou indirecta com os seus pares, os seus clientes e a polícia. Desta forma, as competências e conhecimentos informais são construídos, com base principalmente na desconfiança e astúcia, como mostra uma frase frequentemente utilizada pelo autor: "até o seu melhor cliente é um ladrão".

Dos vícios aos debates?

O autor revela o mundo do vending de rua e a sua coerência com o contexto social de uma metrópole. Por detrás do falso semblante de alegria de algumas das trocas recolhidas, sentem-se tensões e fortes angústias sociais. Uma soma de indivíduos que raramente estão viciados, vivendo num ambiente estruturado por jogos de confiança e traição numa rua que, ao contrário deles, não lhes dará crédito.

Gauthier Bayle dá visibilidade a uma comunidade e as suas relações humanas geralmente ensombradas pelas nossas rotinas. Vislumbramos como os diferentes comportamentos sociais de um grupo que ninhada as cidades são tecidas, transmitidas e adquiridas.

Motivados pelos problemas de emprego, justiça e fome que surgem da pobreza urbana, estes empresários invulgares criam alternativas a uma economia convencional. De tal forma que alguns destes vendedores de rua aprendem a desempenhar um papel social apesar de si próprios, fornecendo vários consumíveis às populações mais precárias a preços imbatíveis, ao mesmo tempo que tornam o desperdício alimentar rentável.

E quanto a si? Está pronto para ser formado como vendedor ambulante?

Desfrute da sua leitura

Este trabalho foi defendido em 17 de Novembro de 2021 para a obtenção do doutoramento em Sociologia pela Universidade de Paris Nanterre na Escola de Doutoramento em Economia, Organizações e Sociedade (ED: 396) no Laboratório de Instituições e Dinâmica Histórica da Economia e Sociedade (UMR 8533) (Nanterre - França)

Fontes

Gauthier Bayle. Comércio, trapaça e engano: etnografia do comércio de rua em Paris. Sociologia. Universidade de Nanterre - Paris X, 2021. Francês. 2021PA100114⟩: ⟨NNT. ⟨tel-03649494⟩

Tese: https: //tel.archives-ouvertes.fr/tel-03649494/

PDF: https: //tel.archives-ouvertes.fr/tel-03649494/document


Veja mais artigos deste autor

Notícias de Thot Cursus RSS

Acesso a serviços exclusivos de graça

Assine e receba boletins informativos sobre:

  • Os cursos
  • Os recursos de aprendizagem
  • O dossiê desta semana
  • Os eventos
  • as tecnologias

Além disso, indexe seus recursos favoritos em suas próprias pastas e recupere seu histórico de consultas.

Assine o boletim informativo

Adicionar às minhas listas de reprodução


Criando uma lista de reprodução

Receba nossas novidades por e-mail

Mantenha-se informado sobre o aprendizado digital em todas as suas formas, todos os dias. Idéias e recursos interessantes. Aproveite, é grátis!