Artigos

Publicado em 18 de novembro de 2020 Atualizado em 08 de setembro de 2022

Porquê e como pode a filosofia ser utilizada para abrir a imaginação das crianças?

Um programa educativo transformador

Crianças africanas

Porquê integrar a filosofia no currículo da escola primária? Como pode este projecto ser levado a cabo para abrir a imaginação das crianças? Mas antes, situemos brevemente o debate em torno do ensino da filosofia às crianças.

Integrar a filosofia no currículo escolar

"Se é suposto a educação ensinar os jovens a pensar, porque é que o sistema produz tantas pessoas impensadas?

Esta questão levou Matthew Lipman, um filósofo americano, a propor um curso de filosofia para "ensinar as crianças a pensar, pois tal curso desenvolveria capacidades de raciocínio; (e) é também um meio de aumentar a auto-estima. Subsequentemente, demonstrou como a "filosofia para crianças" pode melhorar o desenvolvimento moral, social e cognitivo das crianças. Segundo ele, as crianças devem ser introduzidas à filosofia se quisermos ter adultos responsáveis e capazes de pensamento crítico.

No mesmo espírito, educadores de todo o mundo criaram o Conselho Internacional de Inquérito Filosófico com Crianças (ICPIC) em 1985, a fim de projectar o impacto internacional do projecto "Filosofia para e com Crianças". Hoje em dia, a filosofia para projectos infantis pode ser encontrada em faculdades, universidades e associações em mais de 60 países de todo o mundo.

Porque é que a filosofia é adequada para abrir a imaginação das crianças?

Simplesmente porque as mentes das crianças são muito criativas e mais receptivas a ideias filosóficas.

A maturidade traz frequentemente "inércia e falta de inventividade", observa Matthews. No entanto, as crianças são frequentemente grandes sonhadores com uma imaginação vívida. Isto implica que o fraco conhecimento das crianças sobre as normas da ciência e da sociedade poderia colocá-las numa posição vantajosa para fazer filosofia numa idade precoce. Os adultos têm uma tendência infeliz para aceitar facilmente a ordem 'natural' das coisas, sem a questionar com demasiada frequência. Este não é o caso das crianças. Basta observar ou falar com crianças dos 3 aos 7 anos de idade para ver quão rica é a sua imaginação. Se forem introduzidos ao pensamento filosófico numa idade precoce, desenvolverão mais rapidamente as suas capacidades de pensamento crítico, uma faculdade essencial nesta era da globalização.

Em suma, a educação filosófica permite que crianças e adolescentes desenvolvam um pensamento complexo. Melhora as suas capacidades de raciocínio, o seu pensamento crítico, a sua capacidade de atenção e o seu pensamento criativo. Assim, negar às crianças ideias, procedimentos e dúvidas sobre as suas capacidades de raciocínio filosófico é como negar-lhes ar e esperar que não sufoquem.

Como ensinar filosofia às crianças ?

Filosofia para crianças nas escolas não é ensinar os pontos de vista de filósofos particulares como Sócrates, Jacques Chatué, Towa, Njoh Mouéllè e outros, mas sim equipar as crianças com os instrumentos de reflexão, envolvendo-as na procura de significado.

Este artigo apresenta uma experiência do estudante de doutoramento Samuel Nepton, que encorajou professores franco-manitobanos cépticos a adoptar uma abordagem filosófica baseada no jogo nas suas aulas com os seus alunos. Utilizando um texto ou um excerto da literatura infantil, as crianças reflectiram sobre conceitos tais como amizade, família, beleza, etc. Todas estas discussões tiveram como objectivo estruturar melhor o seu pensamento. Este outro recurso apresenta um testemunho de Virginie Siegenthaler, professora na Faculdade de Ciências Sociais e Políticas da Universidade de Lausanne (UNIL), que nos recorda o interesse de transmitir uma forma filosófica de pensar às crianças.

Porquê ensinar filosofia às crianças em África?

A educação em África tem sido utilizada pelos governos coloniais para perpetuar a aprendizagem de corda e a aceitação passiva dos factos, desencorajando ao mesmo tempo o pensamento crítico, especialmente entre as crianças. As críticas à educação colonial e pós-colonial em África como perpetuando a servidão cultural e intelectual e a desvalorização das culturas tradicionais africanas levaram alguns intelectuais africanos a exigir uma reapropriação das formas de educação pré-colonial para redescobrir as raízes da identidade africana.

Para outros intelectuais, contudo, a educação na África pós-colonial só fará sentido se se basear no pensamento crítico e retirar o seu conteúdo e metodologia das crenças e filosofias de vida africanas.

Assim, uma filosofia para as crianças em África envolverá "muito pensamento filosófico, conhecimento e sabedoria africana". Nesta perspectiva e com referência a África, Mkhabela e Luthuli explicam que: "A maior tarefa da filosofia da educação africana é transformar a mentalidade e a auto-imagem do povo negro. É este processo que os tornará responsáveis como indivíduos, não só para com os seus concidadãos, mas também para com o seu país".

Um meio de transformação

A introdução da filosofia às crianças numa idade precoce é uma das formas eficazes de transformar estas crianças em cidadãos atenciosos, responsáveis e progressistas. A introdução da filosofia às crianças pode tornar-se um dos programas educativos transformadores através dos quais a África e o mundo podem emergir dos males que enfrentam. Se a filosofia tem contribuído para o desenvolvimento humano, intelectual, cultural e económico de outras nações e culturas, também pode contribuir em África. Só precisa de ser repensada e colocada ao serviço da sociedade, a começar pelas crianças.

Ilustração: Bill Wegener - Iwaria

Notas e referências

Lipman M 1988. A Filosofia vai à escola. Filadélfia: Temple University Press

Matthews G. 1980. Filosofia e a criança pequena. (p.18) Cambridge: Imprensa da Universidade de Harvard.

Accorinti S 2000. Filosofia para Crianças na Enciclopédia da Filosofia da Educação.
http://www.vusst.hr/ENCYCLOPAEDIA/main.htm

Université Laval, Pousser les enfants à philosopher
https://cursus.edu/21139/pousser-les-enfants-a-philosopher

Ngnaoussi Elongué Christian, La Philosophie Du Jeu, Un Langage Universel, in Arts et Culture
https://lafropolitain.mondoblog.org/2019/02/15/philosophie-jeu-langage-universel/

Universidade de Lausanne, La philo pour mini-penseurs.
h ttps://cursus.edu/15521/la-philo-pour-mini-penseurs
No contexto deste artigo, criança aqui refere-se a grupos etários entre os 4 e 18 anos.

Philipp W. Rosemann, "Penser l'Autre: la philosophie africaine en quête d'identité", Revue Philosophique de Louvain 96, no 2 (1998): 285-303,
https://www.persee.fr/doc/phlou_0035-3841_1998_num_96_2_7088

Tedla E 1995. Sankofa: pensamentos africanos e educação. Nova Iorque: Peter Lang.

Gyekye K 1997. Tradição e Modernidade: Reflexões Filosóficas sobre a Experiência Africana. Nova Iorque: Oxford University Press.


Veja mais artigos deste autor

Dossiês

  • Fiel ao programa

Notícias de Thot Cursus RSS

Acesso a serviços exclusivos de graça

Assine e receba boletins informativos sobre:

  • Os cursos
  • Os recursos de aprendizagem
  • O dossiê desta semana
  • Os eventos
  • as tecnologias

Além disso, indexe seus recursos favoritos em suas próprias pastas e recupere seu histórico de consultas.

Assine o boletim informativo

Adicionar às minhas listas de reprodução


Criando uma lista de reprodução

Receba nossas novidades por e-mail

Mantenha-se informado sobre o aprendizado digital em todas as suas formas, todos os dias. Idéias e recursos interessantes. Aproveite, é grátis!